Uma história singular marca a trajetória desta comunidade, faz parte da memória popular e coletiva de seus moradores.

 

Na década de 1950, uma senhora conhecida como dona Caetana residia em uma casinha de sapé exatamente onde hoje se encontra a edificação da Igreja de Nossa Senhora de Fátima. A referida senhora teria sonhado com a Virgem Maria que lhe disse no sonho que ali seria o “seu cantinho”. Curiosamente, no local que deveria ser o quarto de dona Caetana encontra-se hoje o altar.

 

O terreno para a construção da Igreja foi doado por José Eleutério de Souza. Uma comissão formada por vários moradores, entre eles Joaquim Domingos, Serafim, Mario Brangion, Luiz Clemente, Adelino Nunes, Joaquim Cruz, José Hildebrando, Carlos Silva Leite e o engenheiro da Vale, Carlos de Lima, deu início ao projeto. 

 

Os materiais para a obra foram doados pela comunidade. A Vale forneceu os caminhões para buscar areia em Santa Maria de Itabira e as telhas em Nova Era. A água era trazida em latas pelos próprios moradores que a buscavam na Vila 105, em uma nascente.

 

O então prefeito Daniel Jardim de Grisolia foi o responsável pela vinda da imagem de Nossa Senhora de Fátima de Portugal, tendo sido também o doador do sacrário – ambos entregues à comunidade sob o pastoreio do Padre Ilídio Quintão.

 

A comunidade que era denominada Vila Amélia, em homenagem à Virgem, passou a ser chamada também de comunidade Nossa Senhora de Fátima. 

 

Até fevereiro de 2000, a comunidade foi sede de Paróquia. Pertenceu até o final de 2001 à Paróquia de Nossa Senhora Aparecida. De 2002 a 2011, foi incorporada à Paróquia de Nossa Senhora do Rosário e em 19/07/2011 passou a ser uma das três comunidades da Paróquia de Nossa Senhora da Saúde.

 

A festa da padroeira da comunidade é comemorada há 54 anos, no mês de maio.

 

Horário das Missas:

5ª feira – 19h

Domingo – 7h/ 18h

 

Batizado – 1º domingo

 

A Padroeira[1]

 

Em maio de 1917 o Papa Bento XV, em meio a Primeira Guerra Mundial, convocou todos os católicos para se unirem em oração e pedirem a Nossa Senhora que intercedesse na guerra e trouxesse paz para aquele momento. A partir daí começou a história de Nossa Senhora de Fátima.

 

Oito dias após a convocação do Papa, em resposta as orações, Nossa Senhora de Fátima fez sua primeira aparição, em 13 de maio de 1917, na pequena aldeia de Fátima em Portugal. Em um local chamado “Cova de Iria”, ela apareceu para três pequenos pastorinhos: Lúcia, Francisco e Jacinta.

 

Por volta de meio-dia, eles brincavam pelo campo enquanto cuidavam de um pequeno rebanho. Pararam para rezar o terço, como já era de costume, mas ansiosos para voltarem logo para a brincadeira – foi neste momento que perceberam um clarão similar ao de relâmpagos.

 

Acharam que ia chover e enquanto se recolhiam para ir embora, viram um segundo clarão em cima da copa de uma árvore (chamada azinheira) e, em seguida, viram uma Senhora de beleza incomparável. Embora assustados, Nossa Senhora logo os tranquilizou e lhes pediu que não tivessem medo, pois ela vinha do Céu.

 

Segundo relato dos próprios pastorinhos, a visão era de uma “Senhora mais brilhante que o Sol”, e de suas mãos pendia um Rosário. Serena e tranquila disse às crianças:

 

“Vim para pedir que venhais aqui seis meses seguidos, sempre no dia 13, a esta mesma hora. Depois vos direi quem sou e o que quero. Em seguida, voltarei aqui ainda uma sétima vez.”

 

E as aparições aconteceram nos sete meses seguintes conforme o prometido.

Antes de ir embora, Nossa Senhora de Fátima ainda ressaltou:

 

“Rezem o Terço todos os dias, para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra.”

 

As aparições continuaram nos meses seguintes e mesmo em meio a perseguições, maus tratos e acusações de serem mentirosos, Lúcia, Francisco e Jacinta estavam na Cova de Iria para esperar por Nossa Senhora de Fátima.

 

Na última aparição, em 13 de outubro, o milagre aconteceu. Com eles estavam mais de 70.000 pessoas quando, do meio das nuvens negras, o sol surgiu e começou a girar sobre si mesmo como se fosse uma imensa bola de fogo.

 

E foi também nessa última aparição que Nossa Senhora de Fátima revelou ser a Senhora do Rosário e pediu que ali fosse construída uma capela em sua homenagem.

 

Oração à Nossa Senhora de Fátima

 

Santíssima Virgem, que nos montes de Fátima vos dignastes revelar aos três pastorinhos os tesouros de graças que podemos alcançar, rezando o santo rosário, ajudai-nos a apreciar sempre mais esta santa oração, a fim de que, meditando os mistérios da nossa redenção, alcancemos as graças que insistentemente vos pedimos (pedir a graça).

 

Ó meu bom Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu
e socorrei principalmente as que mais precisarem.

 

Nossa Senhora do Rosário de Fátima, rogai por nós.

 

[1] https://www.nossasagradafamilia.com.br

 


Nossas Comunidades







Uma história singular marca a trajetória desta comunidade, faz parte da memória popular e coletiva de seus moradores.

 

Na década de 1950, uma senhora conhecida como dona Caetana residia em uma casinha de sapé exatamente onde hoje se encontra a edificação da Igreja de Nossa Senhora de Fátima. A referida senhora teria sonhado com a Virgem Maria que lhe disse no sonho que ali seria o “seu cantinho”. Curiosamente, no local que deveria ser o quarto de dona Caetana encontra-se hoje o altar.

 

O terreno para a construção da Igreja foi doado por José Eleutério de Souza. Uma comissão formada por vários moradores, entre eles Joaquim Domingos, Serafim, Mario Brangion, Luiz Clemente, Adelino Nunes, Joaquim Cruz, José Hildebrando, Carlos Silva Leite e o engenheiro da Vale, Carlos de Lima, deu início ao projeto. 

 

Os materiais para a obra foram doados pela comunidade. A Vale forneceu os caminhões para buscar areia em Santa Maria de Itabira e as telhas em Nova Era. A água era trazida em latas pelos próprios moradores que a buscavam na Vila 105, em uma nascente.

 

O então prefeito Daniel Jardim de Grisolia foi o responsável pela vinda da imagem de Nossa Senhora de Fátima de Portugal, tendo sido também o doador do sacrário – ambos entregues à comunidade sob o pastoreio do Padre Ilídio Quintão.

 

A comunidade que era denominada Vila Amélia, em homenagem à Virgem, passou a ser chamada também de comunidade Nossa Senhora de Fátima. 

 

Até fevereiro de 2000, a comunidade foi sede de Paróquia. Pertenceu até o final de 2001 à Paróquia de Nossa Senhora Aparecida. De 2002 a 2011, foi incorporada à Paróquia de Nossa Senhora do Rosário e em 19/07/2011 passou a ser uma das três comunidades da Paróquia de Nossa Senhora da Saúde.

 

A festa da padroeira da comunidade é comemorada há 54 anos, no mês de maio.

 

Horário das Missas:

5ª feira – 19h

Domingo – 7h/ 18h

 

Batizado – 1º domingo

 

A Padroeira[1]

 

Em maio de 1917 o Papa Bento XV, em meio a Primeira Guerra Mundial, convocou todos os católicos para se unirem em oração e pedirem a Nossa Senhora que intercedesse na guerra e trouxesse paz para aquele momento. A partir daí começou a história de Nossa Senhora de Fátima.

 

Oito dias após a convocação do Papa, em resposta as orações, Nossa Senhora de Fátima fez sua primeira aparição, em 13 de maio de 1917, na pequena aldeia de Fátima em Portugal. Em um local chamado “Cova de Iria”, ela apareceu para três pequenos pastorinhos: Lúcia, Francisco e Jacinta.

 

Por volta de meio-dia, eles brincavam pelo campo enquanto cuidavam de um pequeno rebanho. Pararam para rezar o terço, como já era de costume, mas ansiosos para voltarem logo para a brincadeira – foi neste momento que perceberam um clarão similar ao de relâmpagos.

 

Acharam que ia chover e enquanto se recolhiam para ir embora, viram um segundo clarão em cima da copa de uma árvore (chamada azinheira) e, em seguida, viram uma Senhora de beleza incomparável. Embora assustados, Nossa Senhora logo os tranquilizou e lhes pediu que não tivessem medo, pois ela vinha do Céu.

 

Segundo relato dos próprios pastorinhos, a visão era de uma “Senhora mais brilhante que o Sol”, e de suas mãos pendia um Rosário. Serena e tranquila disse às crianças:

 

“Vim para pedir que venhais aqui seis meses seguidos, sempre no dia 13, a esta mesma hora. Depois vos direi quem sou e o que quero. Em seguida, voltarei aqui ainda uma sétima vez.”

 

E as aparições aconteceram nos sete meses seguintes conforme o prometido.

Antes de ir embora, Nossa Senhora de Fátima ainda ressaltou:

 

“Rezem o Terço todos os dias, para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra.”

 

As aparições continuaram nos meses seguintes e mesmo em meio a perseguições, maus tratos e acusações de serem mentirosos, Lúcia, Francisco e Jacinta estavam na Cova de Iria para esperar por Nossa Senhora de Fátima.

 

Na última aparição, em 13 de outubro, o milagre aconteceu. Com eles estavam mais de 70.000 pessoas quando, do meio das nuvens negras, o sol surgiu e começou a girar sobre si mesmo como se fosse uma imensa bola de fogo.

 

E foi também nessa última aparição que Nossa Senhora de Fátima revelou ser a Senhora do Rosário e pediu que ali fosse construída uma capela em sua homenagem.

 

Oração à Nossa Senhora de Fátima

 

Santíssima Virgem, que nos montes de Fátima vos dignastes revelar aos três pastorinhos os tesouros de graças que podemos alcançar, rezando o santo rosário, ajudai-nos a apreciar sempre mais esta santa oração, a fim de que, meditando os mistérios da nossa redenção, alcancemos as graças que insistentemente vos pedimos (pedir a graça).

 

Ó meu bom Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu
e socorrei principalmente as que mais precisarem.

 

Nossa Senhora do Rosário de Fátima, rogai por nós.

 

[1] https://www.nossasagradafamilia.com.br