A Matriz de Nossa Senhora da Saúde é a segunda edificação religiosa mais antiga da cidade, sendo mais ‘jovem’ apenas do que a Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

 

 

No local onde hoje se ergue a igreja existia uma ermida, sob a mesma invocação, construída pelos primeiros habitantes da região: Bento Joaquim do Amaral e João de C. Salgado, entre outros.

 

 

A atual edificação teve sua construção iniciada em 1823 e concluída em 1848 (mesmo ano de emancipação política do município) por iniciativa de Carlos Cassemiro de Andrade. Em 1833, com a demarcação da área da vila de Itabira, a Igreja passou a denominar, pela sua vocação, um dos distritos criados.

 

 

Já no século XX, em 1925, a edificação sofreu reformas que foram coordenadas por uma comissão presidida por Heliodoro do Carmo. Nesta época, foi modificado o frontispício original que apresentava duas torres, destruídas por ação de um raio. Desde então, mantém a torre única central. No final dos anos de 1940 teve o adro ajardinado.

 

 

Implantada em área de grande destaque na paisagem de Itabira, a construção religiosa apresenta adro em escadaria com tornejamento nas laterais. O partido arquitetônico guarda ligação com o padrão formal das capelas mineiras coloniais compondo-se de nave, capela-mor ladeada de corredores laterais e tribunas sobrepostas a estes, sacristia transversal aos fundos com consistório sobreposto, e torres laterais, hoje dispostas apenas em sineira central. O sistema construtivo corresponde a estrutura autônoma em madeira e vedação em tijolos de adobe e/ou pau a pique, sobre embasamento em pedra. A cobertura se faz em duas águas em conformidade ao partido e em quatro águas na torre central, mostrando engradamento em madeira e entelhamento em telhas cerâmicas curvas.

 

 

Os vãos, em verga alteada, recebem emolduramento em madeira e vedação em caixilharia tipo guilhotina com duas folhas de abrir tipo calha. Os vãos da tribuna, tanto na nave quanto capela-mor, mostram-se rasgados por inteiro com guarda-corpo.

 

 

Por meio do Decreto nº 1802, de 27 de março de 1998, a Igreja da Saúde teve os seguintes bens móveis tombados:

 

* No Altar Mor:

 

- Uma imagem de Nossa Senhora da Saúde;

 

- Seis Castiçais

 

* No Consistório:

 

- Uma Imagem de São Francisco Xavier;

 

- Uma Imagem de Nossa Senhora das Mercês;

 

- Uma Imagem de São Francisco de Assis com resplendor;

 

- Duas Imagens de São Francisco sem resplendor;

 

- Uma Imagem de São Francisco;

 

- Um Crucifixo;

 

- Uma Imagem de São Sebastião;

 

- Uma Imagem de Santa Izabel;

 

- Uma Imagem de Nossa Senhora de Fátima;

 

- Uma Imagem de São José;

 

- Uma Imagem de São Judas Tadeu;

 

- Uma Imagem de São Vicente de Paulo;

 

- Uma Imagem de São Francisco do Amor Divino;

 

- Uma Imagem de Cristo Crucificado.

 

* Na Secretaria do Dízimo:

 

- Uma Imagem de São Jorge.

 

* Na Sala de Reuniões do Conselho:

 

- Uma Imagem do Senhor Morto.

 

* Alfaias na Sacristia:

 

- Um Crucifixo;

 

- Um Ostensório;

 

- Um Castiçal (suporte Ciro Pascal)

 

- Uma Naveta;

 

- Dois Castiçais. Prateados;

 

- Um Cálice;

 

- Uma Galheta/Salva;

 

- Dois Castiçais azuis com dourado;

 

- Dois Candelabros com suporte com para cinco velas;

 

- Três Âmbulas Caldeira/Hissope;

 

- Dois Turíbulos;

 

- Um Cálice com patena;

 

- Dois Candelabros com suporte para três velas;

 

- Dois Castiçais dourados.

 

O tombamento da edificação aconteceu em 11/05/1988, por meio do Decreto Municipal nº 3.442.

 

 

Em novembro de 1989 foi detectada a presença de cupins em uma das colunas da tribuna da nave da Igreja. A ação desses insetos foi tão devastadora que destruiu o esteio dentro da coluna.

 

 

Por meio de uma ação conjunta entre a Prefeitura Municipal de Itabira e a Vale foi providenciado o escoramento da área comprometida. A Vale contratou a empresa Engenharia Projeto e Consultoria Ltda. para fazer uma análise da estrutura da Igreja e o projeto de reforma. A referida empresa, contratou a Engearp Arquitetura e Engenharia Ltda. para dar sequência aos trabalhos. Em maio de 1990 foi entregue o relatório do levantamento feito pela Engearp.

 

 

A partir daí, constituiu-se uma comissão interna, composta por oito casais da comunidade de Nossa Senhora da Saúde, com o objetivo de levantar fundos para as obras de reforma. No dia 23 de setembro de 1991 foram iniciados os trabalhos. A comunidade paroquial assumiu a responsabilidade de fornecer todos os materiais necessários para a obra. Em contrapartida, a Prefeitura, por meio da Itaurb, cederia a mão de obra. De janeiro de 1994 a outubro de 1995 os trabalhos de reforma foram interrompidos pela Prefeitura. Quando retomados (10/1995), a Vale se comprometeu a financiar a instalação elétrica e o sistema de som.

 

 

Em março de 1996, as obras prosseguiram com a colocação de estrutura metálica no telhado da Capela lateral. Foram adquiridos quatrocentos e vinte metros quadrados (420m²) de tábuas para o forro.

 

 

Ao longo do mesmo ano, além do forro e das telhas, várias outras obras foram realizadas:

 

 

- instalação das quatro portas e quatro janelas na Capela lateral e da porta principal do que viria a ser a entrada para a Capela do Santíssimo Sacramento;

 

 

- instalação das molduras nas colunas e no teto da parte central da Igreja e assentamento dos marcos das janelas da Capela do Santíssimo;

 

 

- pintura externa da Matriz e substituição do antigo piso por granito;

 

 

- início das obras de construção da Capela do Santíssimo Sacramento (concluída em 1999);

 

 

- colocação da pia batismal no presbitério, ao lado do altar-mor;

 

 

- em 18/11/1996 teve início a pintura interna da Matriz de Nossa Senhora da Saúde.

 

 

 

No ano de 1997 foram concluídas a pintura interna, a instalação da nova rede elétrica e do novo sistema de som.

 

 

Em 20 de dezembro de 1999, após uma missa festiva, foi inaugurado (na própria Matriz) o primeiro Museu Sacro de Itabira. Algumas das imagens históricas foram restauradas na Escola de Belas Artes de Ouro Preto. Em 10 de agosto de 2010, após passar por reformas, o Museu recebeu a bênção de Dom Odilon Guimarães Moreira (à época, bispo da Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano).

 

 

Pela sua localização, e por ser a única igreja de Itabira a ter Missa diariamente, a Matriz recebe fiéis de toda a cidade.

Párocos que celebraram missa na Paróquia de Nossa Senhora da Saúde:

 

1º Pe. José Lopes Magalhães

 

2º Pe. Geraldo Trindade Barreto

 

3º Pe. Joaquim Santana de Castro

 

4º Pe. José Cassimiro da Silva

 

5º Pe. Valter Carrijo

 

6º Pe. Luiz Cezar

 

7º Pe. Ilídio Hemétrio Quintão

 

8º Pe. Uíldes Flávio Assis

 

 

Atendimento do Sacerdócio:

 

5ª feira – 8h30 às 12h e das 14h às 18h

 

Horários das Missas:

 

De segunda a sexta-feira – 19h

 

Sábado – 19h30 (“Missa dos Jovens”)

 

Domingo – 7h30/ 10h (“Missa das Crianças”) / 19h30

 

Batizado – 2º e 4º domingo

 

Novena Perpétua de Nossa Senhora da Saúde - todo dia 15

 

 

A Padroeira[1]

Existem muitas origens para a história de Nossa Senhora da Saúde, com várias versões em diferentes localidades. Porém, a que possui mais registros e a mais aceita remonta aos tempos da peste negra europeia.

 

Segundo contam os registros e a tradição, no ano de 1599 uma forte epidemia caiu sobre a cidade de Sacavém em Portugal. A epidemia foi tão mortal que não havia sequer espaço para enterrar os cadáveres, o que forçou a começarem escavações e covas nos arredores do cemitério da igreja.

 

Ao abrirem a primeira vala, os coveiros se depararam com uma imagem de Nossa Senhora. O povo logo se reuniu com grande amor e veneração. Tamanhos foram os benefícios de cura que vinham das orações que o povo decidiu realizar uma procissão em honra a Maria. Ao fim da procissão, a peste cessou. A imagem de Nossa Senhora descoberta na vala passou a ser aclamada Nossa Senhora da Saúde.

 

Maria está sempre presente para ajudar seus filhos que sofrem, cada qual com seu motivo: uns com doenças corporais, outros com doenças espirituais. Assistir os enfermos é característica visível em Maria. Seu Divino Filho Jesus foi como ela. Jesus caminhou por muitos lugares fazendo o bem, curando os enfermos, operando milagres. Sua Santíssima Mãe também. Não se separa Maria de Jesus. Mãe e Filho são inseparáveis. Maria cuidou de Jesus e também foi cuidada por Ele e por São José. Foi cuidada também por São João Evangelista e hoje ela cuida de nós como Mãe na ordem da graça (Lumen Gentium 61).

 

Oração à Nossa Senhora da Saúde

 

Virgem puríssima, que sois a Saúde dos enfermos, o Refúgio dos pecadores, a Consoladora dos aflitos e a Despenseira de todas as graças, na minha fraqueza e no meu desânimo apelo, hoje, para os tesouros da vossa misericórdia e bondade e atrevo-me a chamar-vos pelo doce nome de Mãe.



Sim, ó Mãe, atendei-me em minha enfermidade, dai-me a saúde do corpo para que possa cumprir os meus deveres com ânimo e alegria, e com a mesma disposição sirva o vosso Filho Jesus e agradeça a vós, Saúde dos enfermos. Nossa Senhora da Saúde, rogai por nós. Amém.

 

 

[1] https://www.nossasagradafamilia.com.br/
conteudo/historia-de-nossa-senhora-da-saude.html
e http://www.nossasenhoradasaude.org/
index.php/paroquia/padroeira


Nossas Comunidades








A Matriz de Nossa Senhora da Saúde é a segunda edificação religiosa mais antiga da cidade, sendo mais ‘jovem’ apenas do que a Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

 

 

No local onde hoje se ergue a igreja existia uma ermida, sob a mesma invocação, construída pelos primeiros habitantes da região: Bento Joaquim do Amaral e João de C. Salgado, entre outros.

 

 

A atual edificação teve sua construção iniciada em 1823 e concluída em 1848 (mesmo ano de emancipação política do município) por iniciativa de Carlos Cassemiro de Andrade. Em 1833, com a demarcação da área da vila de Itabira, a Igreja passou a denominar, pela sua vocação, um dos distritos criados.

 

 

Já no século XX, em 1925, a edificação sofreu reformas que foram coordenadas por uma comissão presidida por Heliodoro do Carmo. Nesta época, foi modificado o frontispício original que apresentava duas torres, destruídas por ação de um raio. Desde então, mantém a torre única central. No final dos anos de 1940 teve o adro ajardinado.

 

 

Implantada em área de grande destaque na paisagem de Itabira, a construção religiosa apresenta adro em escadaria com tornejamento nas laterais. O partido arquitetônico guarda ligação com o padrão formal das capelas mineiras coloniais compondo-se de nave, capela-mor ladeada de corredores laterais e tribunas sobrepostas a estes, sacristia transversal aos fundos com consistório sobreposto, e torres laterais, hoje dispostas apenas em sineira central. O sistema construtivo corresponde a estrutura autônoma em madeira e vedação em tijolos de adobe e/ou pau a pique, sobre embasamento em pedra. A cobertura se faz em duas águas em conformidade ao partido e em quatro águas na torre central, mostrando engradamento em madeira e entelhamento em telhas cerâmicas curvas.

 

 

Os vãos, em verga alteada, recebem emolduramento em madeira e vedação em caixilharia tipo guilhotina com duas folhas de abrir tipo calha. Os vãos da tribuna, tanto na nave quanto capela-mor, mostram-se rasgados por inteiro com guarda-corpo.

 

 

Por meio do Decreto nº 1802, de 27 de março de 1998, a Igreja da Saúde teve os seguintes bens móveis tombados:

 

* No Altar Mor:

 

- Uma imagem de Nossa Senhora da Saúde;

 

- Seis Castiçais

 

* No Consistório:

 

- Uma Imagem de São Francisco Xavier;

 

- Uma Imagem de Nossa Senhora das Mercês;

 

- Uma Imagem de São Francisco de Assis com resplendor;

 

- Duas Imagens de São Francisco sem resplendor;

 

- Uma Imagem de São Francisco;

 

- Um Crucifixo;

 

- Uma Imagem de São Sebastião;

 

- Uma Imagem de Santa Izabel;

 

- Uma Imagem de Nossa Senhora de Fátima;

 

- Uma Imagem de São José;

 

- Uma Imagem de São Judas Tadeu;

 

- Uma Imagem de São Vicente de Paulo;

 

- Uma Imagem de São Francisco do Amor Divino;

 

- Uma Imagem de Cristo Crucificado.

 

* Na Secretaria do Dízimo:

 

- Uma Imagem de São Jorge.

 

* Na Sala de Reuniões do Conselho:

 

- Uma Imagem do Senhor Morto.

 

* Alfaias na Sacristia:

 

- Um Crucifixo;

 

- Um Ostensório;

 

- Um Castiçal (suporte Ciro Pascal)

 

- Uma Naveta;

 

- Dois Castiçais. Prateados;

 

- Um Cálice;

 

- Uma Galheta/Salva;

 

- Dois Castiçais azuis com dourado;

 

- Dois Candelabros com suporte com para cinco velas;

 

- Três Âmbulas Caldeira/Hissope;

 

- Dois Turíbulos;

 

- Um Cálice com patena;

 

- Dois Candelabros com suporte para três velas;

 

- Dois Castiçais dourados.

 

O tombamento da edificação aconteceu em 11/05/1988, por meio do Decreto Municipal nº 3.442.

 

 

Em novembro de 1989 foi detectada a presença de cupins em uma das colunas da tribuna da nave da Igreja. A ação desses insetos foi tão devastadora que destruiu o esteio dentro da coluna.

 

 

Por meio de uma ação conjunta entre a Prefeitura Municipal de Itabira e a Vale foi providenciado o escoramento da área comprometida. A Vale contratou a empresa Engenharia Projeto e Consultoria Ltda. para fazer uma análise da estrutura da Igreja e o projeto de reforma. A referida empresa, contratou a Engearp Arquitetura e Engenharia Ltda. para dar sequência aos trabalhos. Em maio de 1990 foi entregue o relatório do levantamento feito pela Engearp.

 

 

A partir daí, constituiu-se uma comissão interna, composta por oito casais da comunidade de Nossa Senhora da Saúde, com o objetivo de levantar fundos para as obras de reforma. No dia 23 de setembro de 1991 foram iniciados os trabalhos. A comunidade paroquial assumiu a responsabilidade de fornecer todos os materiais necessários para a obra. Em contrapartida, a Prefeitura, por meio da Itaurb, cederia a mão de obra. De janeiro de 1994 a outubro de 1995 os trabalhos de reforma foram interrompidos pela Prefeitura. Quando retomados (10/1995), a Vale se comprometeu a financiar a instalação elétrica e o sistema de som.

 

 

Em março de 1996, as obras prosseguiram com a colocação de estrutura metálica no telhado da Capela lateral. Foram adquiridos quatrocentos e vinte metros quadrados (420m²) de tábuas para o forro.

 

 

Ao longo do mesmo ano, além do forro e das telhas, várias outras obras foram realizadas:

 

 

- instalação das quatro portas e quatro janelas na Capela lateral e da porta principal do que viria a ser a entrada para a Capela do Santíssimo Sacramento;

 

 

- instalação das molduras nas colunas e no teto da parte central da Igreja e assentamento dos marcos das janelas da Capela do Santíssimo;

 

 

- pintura externa da Matriz e substituição do antigo piso por granito;

 

 

- início das obras de construção da Capela do Santíssimo Sacramento (concluída em 1999);

 

 

- colocação da pia batismal no presbitério, ao lado do altar-mor;

 

 

- em 18/11/1996 teve início a pintura interna da Matriz de Nossa Senhora da Saúde.

 

 

 

No ano de 1997 foram concluídas a pintura interna, a instalação da nova rede elétrica e do novo sistema de som.

 

 

Em 20 de dezembro de 1999, após uma missa festiva, foi inaugurado (na própria Matriz) o primeiro Museu Sacro de Itabira. Algumas das imagens históricas foram restauradas na Escola de Belas Artes de Ouro Preto. Em 10 de agosto de 2010, após passar por reformas, o Museu recebeu a bênção de Dom Odilon Guimarães Moreira (à época, bispo da Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano).

 

 

Pela sua localização, e por ser a única igreja de Itabira a ter Missa diariamente, a Matriz recebe fiéis de toda a cidade.

Párocos que celebraram missa na Paróquia de Nossa Senhora da Saúde:

 

1º Pe. José Lopes Magalhães

 

2º Pe. Geraldo Trindade Barreto

 

3º Pe. Joaquim Santana de Castro

 

4º Pe. José Cassimiro da Silva

 

5º Pe. Valter Carrijo

 

6º Pe. Luiz Cezar

 

7º Pe. Ilídio Hemétrio Quintão

 

8º Pe. Uíldes Flávio Assis

 

 

Atendimento do Sacerdócio:

 

5ª feira – 8h30 às 12h e das 14h às 18h

 

Horários das Missas:

 

De segunda a sexta-feira – 19h

 

Sábado – 19h30 (“Missa dos Jovens”)

 

Domingo – 7h30/ 10h (“Missa das Crianças”) / 19h30

 

Batizado – 2º e 4º domingo

 

Novena Perpétua de Nossa Senhora da Saúde - todo dia 15

 

 

A Padroeira[1]

Existem muitas origens para a história de Nossa Senhora da Saúde, com várias versões em diferentes localidades. Porém, a que possui mais registros e a mais aceita remonta aos tempos da peste negra europeia.

 

Segundo contam os registros e a tradição, no ano de 1599 uma forte epidemia caiu sobre a cidade de Sacavém em Portugal. A epidemia foi tão mortal que não havia sequer espaço para enterrar os cadáveres, o que forçou a começarem escavações e covas nos arredores do cemitério da igreja.

 

Ao abrirem a primeira vala, os coveiros se depararam com uma imagem de Nossa Senhora. O povo logo se reuniu com grande amor e veneração. Tamanhos foram os benefícios de cura que vinham das orações que o povo decidiu realizar uma procissão em honra a Maria. Ao fim da procissão, a peste cessou. A imagem de Nossa Senhora descoberta na vala passou a ser aclamada Nossa Senhora da Saúde.

 

Maria está sempre presente para ajudar seus filhos que sofrem, cada qual com seu motivo: uns com doenças corporais, outros com doenças espirituais. Assistir os enfermos é característica visível em Maria. Seu Divino Filho Jesus foi como ela. Jesus caminhou por muitos lugares fazendo o bem, curando os enfermos, operando milagres. Sua Santíssima Mãe também. Não se separa Maria de Jesus. Mãe e Filho são inseparáveis. Maria cuidou de Jesus e também foi cuidada por Ele e por São José. Foi cuidada também por São João Evangelista e hoje ela cuida de nós como Mãe na ordem da graça (Lumen Gentium 61).

 

Oração à Nossa Senhora da Saúde

 

Virgem puríssima, que sois a Saúde dos enfermos, o Refúgio dos pecadores, a Consoladora dos aflitos e a Despenseira de todas as graças, na minha fraqueza e no meu desânimo apelo, hoje, para os tesouros da vossa misericórdia e bondade e atrevo-me a chamar-vos pelo doce nome de Mãe.



Sim, ó Mãe, atendei-me em minha enfermidade, dai-me a saúde do corpo para que possa cumprir os meus deveres com ânimo e alegria, e com a mesma disposição sirva o vosso Filho Jesus e agradeça a vós, Saúde dos enfermos. Nossa Senhora da Saúde, rogai por nós. Amém.

 

 

[1] https://www.nossasagradafamilia.com.br/conteudo/historia-de-nossa-senhora-da-saude.html e http://www.nossasenhoradasaude.org/index.php/paroquia/padroeira